Histórico político

Antes de 2003

Desde quando descobri a política aos 8 anos (pelo que me lembro), estou conectado a ela, tenho recordações vivas da reeleição do Fernando Henrique Cardoso, da inflação a 1,6% no ano de 1998, dos primeiros superávits da balança comercial, da vida difícil começando a melhorar. Depois também lembro-me de todos os grupos de debate que participei durante a primeira eleição do Lula em 2002, quando mesmo contra a opinião pública defendia as propostas do Serra e do Ciro Gomes por fazerem mais sentido.

Naquele mesmo ano iniciei com amigos da época, o primeiro jornal dos alunos e o Grêmio Estudantil da escola em que terminei o ensino fundamental em Santa Catarina. Também ajudei a organizar o acesso a sala de informática nos contra turnos, fui monitor de informática entre outras atividades.

De 2003 a 2008

Política é algo apaixonante que me moveu a ler uma quantidade imensa de textos e livros de filosofia, economia, sociologia, estratégia, direito, história, geopolítica e biografias. Me estimula poder sonhar que podemos fazer as coisas diferentes do que são e me encanta ver as pessoas colaborando para que isso aconteça.

Entrei no ensino médio do CEFET/SC entre os primeiros em vestibular bastante concorrido, o ensino ali era muito bem conceituado na época. Nesse período motivei e participei da reativação do Grêmio Estudantil e logo depois fui eleito presidente por dois anos. Como entidade representativa buscamos e ganhamos cadeiras com voto em igual proporção aos professores no Colegiado Executivo da instituição e representamos também os cursos superiores de tecnólogo que ainda não tinham se organizado politicamente. Participamos da discussão sobre todos os projetos de reformas e ampliação da estrutura da unidade de ensino, bem como na inclusão de diversas atividades esportivas, culturais e temáticas na agenda institucional onde antes não havia uma sequer. Sou grato ao reitor da época o professor Jesué Graciliano, por tudo o que pude aprender com ele, mas, lamento muito pelas posturas do coordenador de ensino médio Nicanor que não me servirão de exemplo.

A União Estudantil Catarinense financiada por partidos da extrema esquerda e cheia de figurões do tipo “carta marcada” não teve qualquer interesse em abrir diálogo com a gestão pública local da época (PSDB) pois o interesse dos partidos era mesmo o de “avacalhar com a opinião pública” e não era de ajudar os estudantes. Então não aceitei a proposta de filiação do nosso Grêmio à União Estudantil preferindo alocar o tempo para participar de algo mais útil ao debate e a resultados práticos: ingressamos com votos no Colegiado Executivo do Sistema CEFET/SC (Diretoria Geral) representando o interesse dos alunos de todas as unidades CEFET do Estado.

Ainda no ensino médio, aos 16 anos, comecei a estagiar na Secretaria de Administração de São José (Região metropolitana de Florianópolis), onde a vida me permitiu trabalhar com uma equipe de que conseguiu por meio de Pregões Presenciais economizar milhões de dinheiro público. Com esse time aprendi sobre compras, contratos, direito administrativo, licitações, e tenho até hoje um profundo respeito pelo advogado Andrey Vicente da Luz, graças a seus ensinamentos nunca falhei em uma só questão de direito administrativo anos mais tarde na minha faculdade de Direito.

Filiei-me ao PSDB-SC em São José e me engajei na eleição municipal de 2008, quando o PSDB colocou na câmara municipal dona Méri Terezinha de Melo Hang; Carlos Acelino Pereira; Alini da Silva Castro; Édio Osvaldo Vieira; Altevir Schmitz; Agostinho Pauli; e Michel da Silva Schlemper. Trabalhando especialmente para a eleição do vereador Michel Schlemper que na época liderava a juventude do PSDB local. [1]

Desde 2008

Aí então cheguei na idade de ganhar dinheiro… e não trilhei mais os caminhos da política, apesar de manter meu blog sempre recheado de análises, denuncias e propostas que por enquanto ninguém viu. Hoje resido na grande Curitiba (PR), minha cidade natal e quem sabe ainda um dia tenho novas oportunidades de fazer política ética e eficiente, buscando o bem de todos. Fui ativo durante a campanha de Aécio Neves em 2014 à presidência da República, pois entendia que dado seu histórico, seria capaz de governar competentemente voltado a resultados, o que seria imprescindível diante da inevitável crise que o Governo do PT gerou, mas o país preferiu o caminho mais duro, ao fingir que tudo continuaria bem, enquanto a oligarquia criminosa permanecia no poder.

Torço por dias melhores para o Brasil e o mundo, e um dos caminhos para isso passa pela punição aos corruptos, que no Brasil só está sendo possível depois do Mensalão e da Operação lava-jato, que está colocando empresários que ficaram milionários às custas do endividamento do país e os seus comparsas na mira da justiça. Em breve, espero, os políticos envolvidos também sejam punidos, sejam eles Aécio, Lula, Cunha, ou qualquer outro.


[1]: http://www.clicrbs.com.br/eleicoes2008/apuracao/2turno/apuracao.html?abrangencia=SC&municipio=81051&topo=null

Anúncios